Caruso (Te voglio bene assai) – Lucio Dalla

CARUSO (Te voglio bene assai)
Composição e interpretação de Lucio Dalla

Letra em Italiano Letra em Português
 CARUSO (Te voglio bene assai) 

Qui dove il mare luccica e tira forte il vento
Su una vecchia terrazza
davanti al golfo de Surriento
Un uomo abbraccia una ragazza dopo che aveva pianto
Poi si schiarisce la voce e ricomincia il canto
Te voglio bene assai
Ma tanto, tanto bene sai
E una catena ormai
Che scioglie il sangue dint’ e vene sai
Vide le luci in mezzo al mare
pensò alle notti là in America
Ma erano solo le lampare e
la bianca scia di un elica
Senti il dolore nella musica
e si alzò dal pianforte
Ma quando vide la luna uscire
Da una nuvola
Gli sembro più dolce anche la morte
Guardò negli occhi la ragazza quegli occhi verdi come il mare
Poi all’improvviso uscì una lacrima e lui credette di affogare
Te voglio bene assai
Ma tanto, tanto bene assai
E una catena ormai
Che scioglie il sangue dint’ e vene sai
Potenza della lirica dove ogni dramma é un falso
Che con un po’di trucco e con la mimica puoi diventare un altro
Ma due occhi che ti guardano cosi vicini e veri
Ti fan scordare le parole confondono i pensieri
Cosi diventa tutto piccolo anche le notti là in America
Ti volti e vedi la tua vita come la scia di un’elica
Ma si é la vita che finisce ma lui non ci pensò poi tanto
Anzi si sentiva gia felice e ricominciò suo canto
Te voglio bene assai
Ma tanto, tanto bene assai
E una catena ormai
Che scioglie il sangue dint’ e vene sai

CARUSO (Te quero muito bem) 

Aqui onde o mar brilha e sopra forte o vento
Sobre um velho terraço em
frente ao golfo de Sorrento
Um homem abraça uma garota depois de haver chorado
Depois limpa a sua voz e começa a cantar
Te quero muito bem
Mas tanto tanto bem, sabes?
É uma cadeia já
Que já dissolve o sangue dentro das veias
Viu as luzes no meio do mar
pensou nas noites lá na América
Mas eram só as lâmpadas
e a branca faixa de uma hélice
Sente a dor da música
ao levantar-se do piano
Mas quando viu a lua
Sair de uma nuvem
Lhe pareceu mais doce até a morte
Olhou nos olhos da garota aqueles olhos verdes como o mar
Depois, de improviso saiu uma lágrima e ele se sente sufocar
Te quero muito bem
Mas tanto tanto bem, sabes?
É uma cadeia já
Que já dissolve o sangue dentro das veias
Poder do teatro, onde cada drama é uma mentira
Que com um pouco de maquiagem e com a mímica pode tornar-se um outro
Mas dois olhos que te olham de perto e tão reais
Te fazem esquecer as palavras confundem os pensamentos
Assim se torna tudo pequeno até as noites lá na América
Volta e vê a tua vida como o rastro de um hélice
Mas se é a vida que termina, e ele nem pensa tanto
Pelo contrário se sentia até feliz e recomeçou o seu canto
Te quero tanto bem …
Mas tanto tanto bem, sabes?
É uma cadeia já
Que já dissolve o sangue dentro das veias

Comments are closed